Sexualidade

MASTURBAÇÃO...

Diversas questões afligem pais e filhos quando se fala em masturbação. Aqui tem algumas respostas a um leitor que ajudam o seu entendimento e fazer sua vida mais tranquila e harmonioza com seus filhos. “Dr. Marcos, gostaria de saber sobre masturbação. Tenho 2 filhos e já peguei um deles (8 anos) se masturbando....ele não é muito novo para isso? Começando tão cedo, não pode se acostumar e ficar sem querer se relacionar mais tarde? Mesmo tendo uma relação boa com eles, confesso que quando o assunto é sexo fico sem saber o que fazer. Então, fale sobre a masturbação, por favor.”
Jairo, 38 anos.

Masturbação é o nome que se dá à brincadeira que homens e mulheres – rapazes, moças, crianças ou os mais velhos – fazem com seus órgãos sexuais, por vontade própria, para obter prazer.
Há muita desinformação sobre este assunto. Muita gente diz, por aí, que "vicia", que causa doença ou ainda que a pessoa que se masturba pode perder o interesse pelo sexo. Hoje sabemos que a masturbação não causa doença de nenhum tipo. Ela faz parte do desenvolvimento da sexualidade de todos nós. E mais ainda: propicia que cada um descubra, em parte, o próprio prazer.
Não é pelo fato de urna pessoa se masturbar que vai perder o interesse pelo sexo (fique tranqüilo) ou ficar "viciada". A maioria de homens e mulheres se masturba e não tem problemas por isso. Homens e mulheres que se masturbam, mesmo que casados, conhecem o próprio corpo bem melhor do que outros que nunca vivenciaram essa experiência. Com isso, a chance de terem uma vida sexual mais integrada será bem melhor.
Falando nos casados, é bom lembrar que a masturbação não é somente um comportamento dos solteiros. Boa parte de casais se masturba como uma forma de lidar com o desejo sexual diferente de cada um. E não há nada de errado nisso. Ou ainda se masturbam simultaneamente, tentando assim proporcionar um ao outro sensações muito gostosas.

E mais...

- A masturbação faz acabar com o esperma?
Não, porque os homens não nascem com uma quantidade "x" de esperma. É uma produção contínua.

- Se um rapaz às vezes se masturba junto com o amigo, ou com outros colegas, acontecendo até de um tocar no outro, isso significa que ele seja homossexual)?
Também não. É bastante comum o "campeonato de ejaculação" no banheiro, principalmente do colégio: rapazes ficam querendo ver quem ejacula mais rápido, quem ejacula mais longe ou ainda quem "segura mais". Isso tudo faz parte do processo de descoberta do indivíduo e não significa que ele tenha interesse sexual pelo amigo ou colegas. Brincadeiras diferentes (é claro!) acontecem com as moças e nem por isso elas são homossexuais.

- A moça pode perder a virgindade masturbando-se?
É bastante difícil, porque normalmente as moças se masturbam manipulando o clitóris. É preciso ter cuidado com os objetos pontiagudos, porque, estes sim, são perigosos e machucam. Digo isso, porque algumas moças podem querer se masturbar colocando esses objetos pela vagina.


VOLTANDO A PERGUNTA DO NOSSO LEITOR: “...peguei um deles (8 anos) se masturbando...ele não é muito novo para isso?”

Não existe uma idade certa. As pesquisas na área da sexologia mostram que ela é menos freqüente na infância (mas acontece sem dúvida e não há problema nisso) e na idade adulta e que ocorre mais na adolescência e na terceira idade.. Mas está presente na vida toda.
Cada indivíduo tem um "relógio" interno muito próprio e um prazer muito individual que decide o que lhe é apropriado. Por isso, a masturbação pode começar “mais cedo” ou “mais tarde”, dependendo da pessoa.

Outras coisas que não são verdade:

- Todo mundo percebe quando uma pessoa se masturba.
- Faz crescer os peitos dos homens (e essa é uma dúvida muito freqüente com a garotada).
- O homem fica fraco.
- Masturbação dá espinha.
- Provoca esterilidade.
- Faz crescer os órgãos genitais.

Isso tudo é mito. O mais importante é que você possa lidar com essas e outras questões da sexualidade, de forma natural e sem pudores. Lembre-se que mais importante do que se fala, é a maneira pela qual se fala. Então, não adianta dizer para o(a) filho(a) “tudo bem”, se sua expressão e gestos são de repressão. Essa imagem, repreensiva, vai ficar mais forte do que seu discurso.
E uma outra coisa de ordem prática: de um toque no(a) filho(a) caso isso ocorra de novo, que feche a porta do quarto ou banheiro. Ele(a) ficará mais confortável e você, também, não terá que vê-lo(a) em sua intimidade que pode ser, sem dúvida, constrangedor.

PrintEmail